Dieta vegetariana também pode fazer mal à saúde

Fique atento aos alimentos que substituirão a carne

Publicado em 11/08/2017
Dieta vegetariana também pode fazer mal à saúde

Os vegetarianos e veganos de primeira viagem sofrem ao substituir todos os tipos de alimento de origem animal por refeições que estão à disposição. Nem sempre os restaurantes têm opções de comida saudável para montar um prato com a quantidade de nutrientes adequada para dar energia ao corpo. 

A consequência disso são refeições regadas a batata frita, processados, gorduras ruins e açucarados. Eles podem não conter carne, mas entopem as artérias. Cientistas da Universidade de Harvard descobriram que, por mais que você se esforce em ficar longe de qualquer item de origem animal, uma dieta vegana, por si só, não lhe tornará mais saudável.

Em um estudo, pesquisadores consideraram 73.710 mulheres no NHS (Nurses 'Health Study, 1984 a 2012), 92.329 mulheres no NHS2 (1991 a 2013) e 43.259 homens no Estudo de Seguimento dos Profissionais de Saúde (1986 a 2012), todos livres de doenças crônicas em linha de base. Foi criado um índice geral de dieta baseado em plantas (PDI) a partir de dados repetitivos semiquantitativos de questionários de frequência alimentar. Eles atribuíram pontuações positivas aos alimentos saudáveis e negativas quando se tratava de industrializados e carnes. 

O primeiro grupo se alimentava de vegetais, mas não abriam mão de até seis porções de carne, leite ou derivados. O segundo grupo se alimentava só de comidas saudáveis, além de menos carne, gordura e açúcares. Já o terceiro grupo não comia carne, apenas alimentos industrializados (sucos e bebidas açucaradas, grãos refinados, batatas e batatas fritas e doces).

Eles voltavam a cada dois ou quatro anos para fazer uma avaliação e listar os alimentos que integravam suas dietas – além de informar com que quantidade e frequência comiam cada um. Ao longo dos mais de 20 anos de pesquisa, 8.631 pessoas sofreram algum problema cardíaco.

Quem comia de forma mais saudável, manteve o coração mais preservado. Eles tiveram 25% menos chance de doenças cardiovasculares, se comparados ao primeiro grupo, que comia muitos vegetais e não controlava as quantidades de açúcar, gordura e carne.

Mas a principal surpresa foi em relação àqueles que se privavam de alimentos de origem animal e não prestavam atenção na dieta. Nessa turma, que se esbaldava em doces e refrigerantes, a probabilidade de infarto subiu 32% em comparação ao segundo grupo.

Isto é, pessoas vegetarianas e veganas não estão isentas aos problemas de saúde. Ao cortar alimentos de origem animal, é importante ter um acompanhamento nutricional e compreender a quantidade e a qualidade de alimentos adequados ao seu corpo. Dessa forma, o novo estilo de vida só trará vantagens e benefícios para o seu organismo. 

Foto: Pixabay